O medo me fez dar as costas para o futuro

Queridos (as) seguidores (as)

Em 2020, continuamos a postar trechos e frases do nosso livro “Histórias de Amor na perda gestacional e neonatal”, pois recebemos constantement comentários e agradecimentos de como esta obra tem ajudado mães, pais, e também profissionais de saúde que de alguma forma são tocados pelo tema da perda gestacional e neonatal.

No post de hoje, trecho de um lindo relato escrito pela Elisa Teixeira, uma da co-autoras deste livro.

Elisa Teixeira

Para ler os textos e relatos completos, adquira o nosso livro ” Histórias de Amor na perda

gestacional e neonatal através do link da loja Amazon below:

 

Anjo Helena Vitoria

Amor de mãe é a mais elevada forma de altruísmo. (2)

 

Olá meu nome é Camila tenho 24 anos sou casada há seis anos, tenho um filho do primeiro casamento de 8 anos. Há 2 anos atrás decidimos tentar engravidar, nunca tomei remédio, todos os exames estavam ok. Foram vários negativos até que no dia 21/06/2017 o tão esperado positivo chegou, foi uma alegria pois era o que mais queríamos. Descobri que estava com 4 semanas bem cedo, duas semanas depois tive um pequeno sangramento fui a maternidade e tudo estava bem, o medico mandou fazer repouso. Na outra semana o mesmo sangramento mass tudo estava bem, eles diziam que era apenas um sangramento do colo, fiquei de repouso por quinze dias e usando medicação ate doze semanas. Enfim o sangramento parou e voltei a vida normal ,com 17 semanas fomos fazer uma ultra e descobrimos que seria uma menina, nossa pequena tão sonhada Helena, todos felizes fazendo vários planos. Com 21 semanas acordei e lá estava aquele sangramento novamente com mais intensidade. Desesperada fui a maternidade, foi feito todos os exames, o medico olhou pra mim e falou: “vamos internar,  vc esta com 1 cm de dilatação vai ter que fazer uma cirurgia se não seu bebê vai morrer” ,entrei em desespero pois estava  sozinha, liguei para a minha mãe para falar, internei e no dia seguinte fiz o procedimento chamado cerclagem. Eles costuraram meu colo do útero para impedir que o bebê nascesse. Depois de dois dias fui para casa sabendo que até o fim da gestação só poderia levantar da cama para ir ao banheiro e tomar banho ,foi difícil mas tudo para segurar minha pequena. Dois dias depois , estava em casa e tive um outro sangramento mas era tanto sangue que achei que tinha acontecido o pior, o medico falou que estava tudo bem e que o sangramento era só do ponto da cerclagem, pois ela não cicatrizava. Fiquei internada dois dias e voltei para casa. No dia 24/10/2017 fui fazer o morfológico de 2 trimestre, estava tudo bem com a minha Helena o medico só tinha pedido para fazer um ecocardiograma do coraçãozinho dela pois estava taquicárdica, como tinha consulta com a minha G.O no dia seguinte,  já tinha marcado o eco, ficou por isso mesmo. Fui para consulta no dia seguinte e a Dra identificou que ela estava muito mais muito taquicárdica então me mandou para a maternidade para fazer um controle infeccioso, chegando lá tinha muita gente, demorou muito para eu ser atendida, fiz exames ultra para ver o colo e a bebê. Exatamente as  03:00h da manhã do dia 26 a médica me chamou e disse que ia me liberar para casa com antibióticos, quando levantei para ir embora minha bolsa rompeu, fiquei assustada pois estava com 23 semanas e minha filha tinha apenas 520 gramas. Começaram as contrações, meu deus que dor horrível! Fiquei até as 7h da manha com dor. Ate que fomos para o centro cirúrgico, eles iriam tirar a cerclagem e minha filha de cesária, mas do nada parou a contração então optaram por esperar. Tiram a cerclagem e fiquei o dia todo lá sendo monitorada. Fui para a UTI pois estava com uma infecção muito forte e o medo dos médicos era que passasse para minha filha. Eu estava bem, sem dor e consegui enfim dormir ,as 06:00h da manhã do dia 27 comecei a sentir uma dorzinha, achei que era dor de barriga mas começou aumentar. O medico veio examinar e estava com 3 cm de dilatação. Voltamos para o centro cirúrgico, estava no sexto andar, foi só o tempo de descer e minha filha já estava no canal vaginal. Exatamente as 07:02h do dia 27/10/2017 nasceu minha linda filha de parto normal pesando 480 gramas e 27 cm, esperta chorou e lembro que a medica gritou na sala dizendo o quanto ela era esperta. Ali começava a nossa luta foram 75 dias de varias intercorrências. Ela tinha um sangramento na cabeça,o canal do coração aberto,hipertensão  pulmonar,displasia pulmonar,trombo no pescoço, mas mesmo com tudo isso ela se desenvolvia sorria ,chorava, ficava brava quando estava com fome até puxar os cabelos ela puxava, tínhamos certeza que ela iria pra casa.  Já estava tudo pronto esperando ela. No dia 10/01/2018 como sempre fui ao hospital, chegando lá a doutora me chamou pra conversar e disse que na troca de plantão ela havia tido uma parada cardíaca e logo em seguida uma convulsão. Eles demoraram ao todo pra reanimar: uma hora.  Entrei em choque quando vi minha filha com todos aqueles fios, todos aqueles medicamentos e minha filha parada sem reagir a nada ,a doutora tinha dito que todos os exames estava normal e que demoraria 24 horas para passar o efeito do remédio vim para casa com medo mas ao mesmo tempo confiante. No dia seguinte cheguei bem cedo ao hospital ao chegar lá minha filha não reagia. Eu chorava muito e na minha cabeça via as pessoas me consolando como se já soubesse o que iria acontecer. Fui a capela do hospital e pedi pra deus que ele fizesse a vontade dele e que se fosse para minha filha ter sequelas ou sofrer que ele a levasse, ela ficou o dia todo tendo quedas de saturação e  quando meu esposo chegou ao hospital a medica veio conversar com a gente e disse que eles já haviam feito tudo mas ela não respondia, e naquele dia ela tinha tido 5 paradas. A doutora falou que aqueles números no aparelho nem eram reais, que era só medicamentos que estava mantendo. Em meio ao desespero não pensei duas vezes em pedir para pegar ela no colo e ali estava com a minha filha no colo sem vida, tão linda. Ela foi tão forte e me ensinou tantas coisas. Passou por tudo forte e sorrindo. Mais tarde chegaram minha família: minha mãe e minhas irmãs, para ver meu anjinho tão linda vestida de branco. Elas puderam pegar, beijar e se despedir. E difícil enterrar seu próprio filho, você não imagina que vai acontecer com você, maSs sei que Deus tem um propósito na vida de cada um de nós e agora minha pequena esta ao lado de deus.

dói muito mais sabemos que agora ela esta sem dor e sofrimento

💖💖💖MINHA ETERNA HELENA VITORIA💖💖💖💖

(obs. o vitoria nós decidimos colocar no dia m que la nasceu)

 

Relato da mãe Camila.

Permitiram-me ser mãe

Queridos (as) seguidores (as)

Em 2020, continuaremos a postar trechos e frases do nosso livro “Histórias de Amor na perda gestacional e neonatal” , pois contiuamos a receber comentários e agradecimentos de como esta obra tem ajudado mães, pais, e também profissionais de saúde que de alguma forma são tocados pelo tema da perda gestacional e neonatal.

No post de hoje, trecho de um lindo relato escrito pela fotógrafa e nossa colaboradora – Elaine Castanheira.

Elaine Castanheira

Para ler os textos e relatos completos, adquira o nosso livro ” Histórias de Amor na perda

gestacional e neonatal através do link da loja Amazon below:

 

A morte não tem força pra fazer frente ao berço de amor

Queridos (as) seguidores (as)

Esperamos que 2020 seja um ano de muito amor pra todos vocês.

Continuaremos a postar trechos e frases do nosso livro “Histórias de Amor na perda gestacional e neonatal” , pois contiuamos a receber comentários e agradecimentos de como esta obra tem ajudado mães, pais, e também profissionais de saúde que de alguma forma são tocados pelo tema da perda gestacional e neonatal.

No post de hoje, trecho de uma linda poesia escrita pela Erika Pallottino, co-autora do livro e psicóloga do Instituto Entrelaços.

Erika Pallottino

Para ler os textos e relatos completos, adquira o nosso livro ” Histórias de Amor na perda

gestacional e neonatal através do link da loja Amazon below:

 

EM RESPEITO AO MEU ETERNO MAJOR TOM, UM POUCO DA NOSSA HISTÓRIA

Amor de mãe é a mais elevada forma de altruísmo. (1)

 

 

.16 de dezembro de 2019.

Começar a escrever sobre esse fim que também é um começo é angustiante. Fazem exatamente 10 meses e 15 dias que você nasceu e todos esses meses e dias menos 4, que você partiu. Bom, logo que meu Tomás morreu eu procurei várias páginas que falassem respeitosamente e amorosamente sobre a morte neonatal, sobre essa morte que é tão precoce e velada. Eu estava perdida, tinha me preparo 6 meses para ser mãe e para lidar simplesmente com os desafios da maternidade nesse mundo machista que sobrecarrega as mulheres que assumem esse papel. E do nada, me vem um diagnóstico, uma internação desesperada, o nascimento angustiante e por fim a vida interrompida de alguém que mal nasceu. Foi então que nessa busca desesperada por colo, consolo e respostas eu encontrei vocês.10 meses depois, cá estou eu para dividir minha história.

Bom, minha gravidez não foi planejada, tinha 21 anos, uma faculdade que eu estava começando, um namoro abusivo e muitos planos que eu tinha feito para realizar antes de pensar em ter um bebê. Mas, para a minha irresponsabilidade e completa surpresa, acabo engravidando e resolvo não interromper a gestação. Logo me apaixono pela ideia de nunca mais estar sozinha nesse planeta (porque desde a descoberta eu passei de singular para plural). A minha gestação foi saudável, tive um deslocamento na placenta que foi assistido e logo resolvido, tinha consultas periódicas e Tomás que na época eu carinhosamente tinha apelidado de “JOOORGUE” (KKKK SAUDADES) porque eu ainda não sabia o sexo (NA VERDADE EU SEMPRE SOUBE QUE UM MENINO TAVA ALI/AQUI DENTRO) se desenvolvia muito mas muito bem. Pulo para uma manhã de Sol de janeiro, aquele céu azul limpinho me convidava para aproveitar o dia. Vou ao banheiro e vejo vestígio de sangue saindo da minha vagina. Então corro imediatamente para a maternidade e tudo aconteceu tão rápido que hoje parece que eu fechei os olhos e acordei dentro de um pesadelo. Fui diagnosticada rapidamente com insuficiência istmo cervical (IIC) que é basicamente um problema no útero em que as mulheres nascem ou podem adquirir ao longo da vida e que não sustenta o bebê no útero conforme ele vai ganhando peso e em decorrência disso o colo dilata e causa o aborto tardio ou o parto do bebê prematuro. E NÃO EXISTE UM PRÉ DIAGNÓSTICO PARA IIC (PARA O MEU DESESPERO, ÓBVIO!!!!)

Resumão… Fico 25 dias internada, acamada na tentativa de segurar o bebê pelo maior tempo possível e acabo dando a luz no dia 1 de fevereiro. Tomás nasce vivo, o que para equipe médica já era algo muito improvável de acontecer. Além de vivo, Tomás chora ao nascer (pasmem) pois ele nem os pulmões tinha dado tempo de formar por completo. Enfim… Tomás nasce superando as expectativas. Ele tinha 550g e 34 centímetros para quase 24 semanas de gravidez (o que é perfeito, se ele estivesse se desenvolvendo no meu útero).Ele passa 4 dias internado na UTI e acaba não resistindo, quer dizer, ele resistiu muito, muito mesmo. O ser mais resistente que eu já conheci ao longo dos meus 22 anos. Na verdade, ele cumpriu o tempo dele e partiu pra casa. Me deixando como uma boa humana que sou, ARRASADA. Eu não entendia porque aquilo estava acontecendo com a gente. Eu não me perdoei por não ter conseguido abrigar meu filho tempo suficiente, já que ele era um bebê saudável até esse diagnóstico. E diante da morte do meu nenê amado mais que tudo, procurava resposta nas minhas ações do passado pra tá sendo castigada no presente. Eu enterrei a sua matéria em uma quarta feira de um dia de verão que amanheceu parecendo que ia se acabar de tanta chuva e trovoadas (sem exageros), moro no nordeste e não costuma chover assim nesse período do ano. Com certeza era São Pedro que também estava de luto ou então festejando pela chegada do meu rei.

Hoje, todo esse tempo se passou mais o vazio do colo é definitivamente inconsolável. Eu consegui me perdoar por aquilo que eu achava que tinha culpa e que não me cabia, e hoje convivo com o meu luto de forma harmoniosa. O que pega mesmo é quando a saudade daquilo que eu não tive tempo de viver com ele bate… aí o remédio é se permitir ficar triste e chorar e pronto. Porque o que não tem remédio, remediado está. E é óbvio que sempre eu serei uma mulher que carrega um vazio existencial.

A respeito do amor que eu senti pelo meu filho, eu vou nutrir ele para o resto dos meus dias em meu coração e mesmo que no futuro eu venha a ter outros filhos, Tomás sempre estará no minhas lembranças. Porque um filho não se apaga!

Último recado: Não me olhem com cara de pena, eu fui escolhida de alguma forma para passar por isso ainda no ventre de minha mãe. E vós digo, eu cumpri minha missão dignamente e dei toda condição e amor para que o meu filho também cumprisse a dele. A vida não é um conto de fadas e estamos fadados a lidar com momentos nem sempre tão favorável ao “feliz para sempre”. Eu não sou tão religiosa, mas ao longo dessa experiência eu procurei não desacreditar em Deus e no que o universo tinha escrito para mim. Porque ele é bom sempre!

 

Com amor e carinho, Agatha!

Uma inversão da ordem natural da vida

Queridos (as) seguidores (as)

O nosso livro “Histórias de Amor na perda gestacional e neonatal” é composto por mais de 60 textos e relatos emocionantes, de mães, pais, e também profissionais de saúde. Continuamos a publicar semanalmente frases desses relatos e textos, pra que conheçam ainda mais o nosso livro coletivo.

Abaixo, trecho do relato “Registro de nosso encontro”, da co-autora Erica Quintans

Erica Quintans

Para ler os textos e relatos completos, adquira o nosso livro ” Histórias de Amor na perda

gestacional e neonatal através do link da loja Amazon below:

 

Um exemplo para todos

Queridos (as) seguidores (as)

O nosso livro “Histórias de Amor na perda gestacional e neonatal” é composto por mais de 60 textos e relatos emocionantes, de mães, pais, e também profissionais de saúde. Continuamos a publicar semanalmente frases desses relatos e textos, pra que conheçam ainda mais o nosso livro coletivo.

Abaixo, trecho do relato “O poder dos anjos”, da co-autora Evani Wolff.

Evani Wolff

Para ler os textos e relatos completos, adquira o nosso livro ” Histórias de Amor na perda

gestacional e neonatal através do link da loja Amazon below: